quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Sabrina nas duas versões...

A Versão moderna de Sabrina com Julia Ormond, 1995.
Greg Kinnear , Julia Ormond e Harrison Ford












Humphrey Bogart, Audrey Hepburn e William Holden - Original, 1954.
Veja mais sobre cinema...

Amor em terceira pessoa...

O escritor não escreve sobre si mesmo.... Frase que continua rondando minha criação. Mas hoje não quero escrever sobre pessoas, nem escritores e nem criação. Porque também amor não escreve sem a presença do eu subjetivo. Somente Camões conseguiu tão bem em seu soneto eterno. Mas também não quero falar sobre Camões. Quero falar de quarta-feira à tarde quando há pessoas em suas casa, em seus apartamentos, em seus quartos, num instante de férias semanais. Porque não trabalhar num dia de meio de semana é o que há de prazer. E esse sei que ficará eterno. Hoje assiti a um filme que há muito não repetia nas Sessão da Tarde. Sabrina na versão atual com Harrison Ford e Julia Ormond... Hum.... acho que esqueci o nome dos atores. Sei que é um filme mágico, mais mágico ainda é o filme original em que Audrey Hepburn é a protagonista, filha de um motorista de uma família rica, vai para Paris aprender os serviços de "un grand chef de la cuisine française". Versão ou não, é um filme que sempre me encantou. Acabou a sessão, sai para as tradicionais caminhadas das quartas. Pensando, como sempre, pelos caminhos, como um filme de amor pode nos fazer acreditar no impossível. Por mais que tudo esteja desalentador, um bom de filme de amor refresca-nos a alma como tomar uma cerveja num barzinho no final da tarde. Apreciar as pessoas, fotografar de palavras as faces, as expressões que surgem pelas ruas. O final da tarde, as suas cores, a mudanças de estação e tudo que envolve o sentimento de amor por alguém ou por nós mesmos. Mas não é isso ainda que queria dizer.
Continuei pelo mesmo caminho de 12 anos atrás, na mesma bat hora, no mesmo bat canal. E a Lua estava lá. Numa certa altura, andava de frente para ela, laranja, vindo em minha direção. Eu ia ao seu encontro como boas amigas. Ela e eu. Cheguei à sua casa, nos vimos mais de perto, então combinamos um passeio, eu e ela. Descemos a grande avenida, do outro lado o pasto, a porteira e a noite inteira... Descemos ombro a ombro, conversavamos e ela me contava sobre o vento e sobre o som dos ruídos do vento no capim seco. Alguns momentos eu parava e apontava:"olha!" Eu via o céu e a noite imensa descendo aos poucos sobre as montanhas que circundam a cidade. Conversávamos, nos confessávamos. Eu disse a ela que andava apaixonada por um fantasma, que vem todas as noites nos meus sonhos, nos meus encantamentos com o vento. Rodopiava e o vento me afagava, quente, às vezes frio, e eu sentia alegria. Eu conversando com a Lua. Não sou Ismália. Não enlouqueci. E o fantasma estava também presente. Ali, no fim da rua, entre as ramagens. A música suave da sua voz, da sua poesia, da sua arte. Estávamos todos ali, ele, a Lua e eu.
Continuei minha caminhada e, chegando em casa, olhei a cidade e a Lua já bem alta.
Minhas últimas palavras para hoje: o amor é um sentimento sublime, simples, mas inventam para ele roupagens de luxo, formas arredondadas, jóias, pompas, manipulações diversas, estilos, jogos... e, no fim, o que resta mesmo é a amarga idéia de não tê-lo vivido em sua intensidade e sem máscaras. E não há mais tempo. Ponto final.

terça-feira, 25 de setembro de 2007

"Mais fundas que a solidão são suas metáforas. É preciso vagar pelas ruas, a cabeça nua de pensamentos infiéis. Caminhar sem definir o horizonte, sem perder as paisagens, apenas para estar só." J. B. A.

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Meu coração anda assim...

Chovendo por dentro... O tempo seco dos últimos meses, o inverno da alma que não vai embora.
Fico horas e horas deitada no chão da sala em completa contemplação. Não pensar nada é o mesmo que pensar. A mente não sossega. Os flashes de luz que vem da televisão às vezes me prende. Assisto a algum seriado da Sony e penso se seria possível um mundo tão ideal. Tenho desejos guardados por esses sonhos ideais, tudo perfeito, a imagem meio sobrenatural das cores .
Mas o que me sobra é a vida real. Ando de um lado para o outro. O dia quente. Vejo a árvore de copa lilás, intensa. Lembro da música que Nina Simone canta... Prendo meu rosto entre as grades da janela que dá para a imagem acima, mas não chove...talvez se chovesse eu estaria mais limpa.
De certa forma o calor dos últimos dias avivaram os sentimentos de alegria dentro de mim. Até que gosto desse calor dos dias secos. O ar seco, a paisagem árida... mas se chovesse...

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Minha sobrinha é o máximo...das arábias!


One time ago, there was a little kid that loves the Arabian Nights...

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Once I was a soldier.... Once I was a hunter... Once was a lover...

Once I was... I was...

Se eu pudesse...


eu inventaria uma outra forma de xingar todos e todo mundo....os palavrões, todas as tentativas de enumerar xingos insuperáveis... todas as torturas... os furacões todos e em holocausto...
Mas acho que dizer "I Hate them!" basta... they are hypocrites so fuck them too!

terça-feira, 11 de setembro de 2007

Festa do Olhar... Avenida Dona Floriana...


Fim de tarde... urbanidades...

Minha cidade é o que há de beleza... Todos os anos eles vêm
nos visitar - os Ipês Rosa...

Ipês Urbanos...

Fotos tiradas dia 11 de Setembro, 17:39 h...






segunda-feira, 10 de setembro de 2007

O que será que JB diria sobre o amanhã?


No ano do 11 de Setembro, JB não estava mais aqui...
Fico pensando...será o que diria sobre tudo?
Era politizado?
Ficaria imobilizado? Assim como todos nós ficamos diante das injustiças que vão acontecendo em meu país e vamos nos calando?
Aqui todo dia tem 11 de Setembro, Jeff...
quando assistimos impassíveis à corrupção, à violência no trânsito, ao tráfico de drogas, ao aliciamento de menores, ao caos na saúde e na educação, à exploração do trabalhador, à criança sendo explorada pelo sistema...
Ah, Jeff... será que você assistiu a isso também?
Será que está vendo, de alguma parte do Universo, o que anda acontecendo pelo mundo?

Amanhã é Onze de Setembro...

Já faz algum tempo que aconteceu o 11 de Setembro.
Lembro-me bem desse dia, que estava com cara de poucos amigos. Aliás, o dia estava com cara de amigo nenhum.... Sempre guardo esses dizeres, acho engraçadinho. Li no conto "Uma das Marias..."

Mas aquele dia estava fechado, pesado...era como se houvesse uma previsão negra para este dia. O céu mostrava isso. Parecia que toda a natureza se encolheu ou, de alguma forma conspirava. Não sei se conspiração é a palavra certa para a natureza. Ela mesmo não tem nada a ver com isso. A natureza é bela, mas também pode se vingar do homem quando terrivelmente injustiçada, estilhaçada em sua essência.

De alguma forma, tudo no mundo leva a uma reação. A natureza do homem... Ai, a natureza do homem... o que mais poderia dizer dessa natureza? Que somos primitivos? Ferozes? Vingativos?

domingo, 9 de setembro de 2007

Sobre a solidão e o tempo...

Solidão,
feito noite sem Lua no céu.
O vento anda sertanejando as ramagens
das encostas,
faz tudo que mato secar.

No poste,
um fiapo de luz empoeirado
adentra o resto da noite escura.
Uma porteira fechada para o nada.
As pastagens recolhem um Ipê atordoado,
florido
intenso.

O cheiro acre do mato que queima
devagar.
Até do cheiro desse mato ando gostando.
Tanto...

A turma animada do Pedraum...

Hoje o Pedro está aqui... Já saiu pra passear com os amigos.... aproveitando os últimos momentos do feriado. Eu digo sempre pra ele: "aproveita mesmo, aproveita, logo a vida vira uma chatice, vc vira um homem de negócios, tem obrigação de ser gente grande, ser eficiente, competente em sua profissão e etc e tal...

Pena que a vida passa tão depressa, eu mesma vou fazer 47 anos daqui a alguns meses!

A turma aí acima, eu vi praticamente todos crescerem... foram amigos de escola, com exceção de uns dois que passaram a fazer parte deles! Terminaram o terceiro ano e cada um foi pra um canto, mas ainda se encontram pra tomar umas e fazer churrasco.

Eu vivo pensando "até quando..." Tudo deveria ser pra sempre, a vida deveria estar e ficar exatamente como nas fotografias - o instante eternizado.

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

O Amanhecer e o Amor

Os primeiros raios de sol fluem entre nuvens espessas
As útlimas brumas do inverno pousam nas montanhas
Acordam amantes e suas lembranças boas.
No gris que tinge a paisagem
A alma sabe-se:
o amor não volta mais!
Discute sortilégios,
Pergunta-se.

Os olhos baixos,
na fronte séria
conta as pedras do calçamento.
Caminhantes,
os passos escutam-se.
Levanta-se o olhar atônito.
A hipnose da luminosidade reverte a morte,
espargem cores sobre a cidade
em cenas surreais.

O ar frio revolve a música de outras terras.
Traz-na,
envolve o corpo num abraço estérico.
O coração bate doído.
E junto com o sol de todas as manhãs
o cristal das primeiras lágrimas.
O peito está só -
solitário.
(para animar...uma música de Jeff Buckley, Last goodbye...)

A entevista que pensei em postar aqui...

Com vcs, Jeff Buckley... copiem..

http://www.4shared.com/file/23744706/a9fc2d0a/01_-_Interview_with_Jeff_Buckley.html


Outra... Jeff's Peformance... Doidim ele... rs!

http://www.4shared.com/file/23751150/33dbd94a/02_-_Jeff_Buckley_performances__The_Way_Young_Lovers_Do_-_Kick_Out_The_Jams_-_New_Years_Eve_Prayer_.html

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

A Jeffrey Scottie Buckley


!
A sua alma guarda a centelha do eterno.
Como um deus abandonado pela disputa de um reino
- pai e filho!

Dos deuses todos recebeste a flama,
a inconsciência de saber-te belo,
sagaz e perfeito em todas as armas.

Na contenda diária do desconhecido
digladiava entre a náusea e o vício
a solidão e o amor retido
vivias o paraíso esquecido
na morenice de seus versos desconexos.

O emaranhado de tuas palavras
não cumpriu o seu destino
e forte e pálido,
recolhestes ao ímpio dos descaminhos

Manda alguém pra mim também... Rs!



Please Send Me Someone To Love



Heaven please send to all mankind,

Understanding and peace of mind.

But, if it's not asking too much

Please send me someone to love.



Show all the world how to get along,

Peace will enter when hate is gone.

But, if it's not asking too much,

Please send me someone to love.



I lay awake night and ponder world troubles.

My answer is always the same.

That unless men put an end to all of this,

Hate will put the world in a flame,

(oh) what a shame.



Just because I'm in misery.

I don't beg for no sympathy.

But if it's not asking too much,

Just send me someone to love.



Just because I'm in misery,

I don't beg for no sympathy.

But if it's not asking too much,

Please send me someone to love.

minha amiga com seu olhar tão e-terno...

Há pessoas que fotografam muito bem. Parecem que foram feitas para a lente mágica das câmeras.
... e dizem que elas não mentem.

Como não mentem os seu olhos...

Melissa não é tão terna assim...
Mas tem uma sagacidade nas palavras e no modo de viver, que muitas vezes a invejo.

Por um lado, pode fazer tudo muito errado -
segundo as concepções mais moralistas de comportamento ou politicamente corretas... que diga-se de passagem, me enojam!

Mas o faz com tamanha inteligência e autoridade sobre si mesma, que toda tentativa de não apreciá-la, é depojar-se da verdade - isso é o outro nome para autenticidade.

Melissa, Mel...

seu nome deveria ser Ousadia!

sobre poesias...

Ausência de Arte

O escritor não escreve sobre si mesmo.
- diz o amigo do outro lado da tela.
Mas as palavras soam tão poucas
Acumulam-se na arte menor dos versos solitários.

A barca de Caronte sucumbe as esperanças dos deuses
e na realidade tentam reviver seus últimos suspiros.
De Apolo, rouba-lhe a beleza tenra da vida,
sua música fluída.
dos outros deuses todos,
a bravura de se reconhecerem fracos

No final
A arte pouca,
a expressão contida e sem palavras
do vazio eterno.

6/09/2007

quarta-feira, 5 de setembro de 2007

Vou encher meu *Blog de homens bonitos...

Martha & sua Nicotinas...

Once upon a time... uma moça de uma comunidade chamada Christy Banks que me irritou muito, daí eu resolvi fazer um fake para encher o saco dela...daí eu coloquei esse aí em cima pra encher o saco dela...então eu consegui fazer uma coisa muito bacana! Ela saiu da comunidade Jeff Buckley Brasil de tanto que eu enchi o saco dela... curti com a cara dela, xinguei ela de sem- educaçona, tribufu, cabra-da-peste (detalhe! ela é nordestina...depois veio me acusando de racista. Pode?). Agora acho que ela voltou definitivamente pra Comunidade JBB...

Na comunidade em que ela e eu estamos contidas, aparece um taaaaaanto de gente esquisita, inclusive eu, disfarsada de Jeffake...agora descobriram que eu sou eu mesmo - a tulipa azul, a Lorene... daí consegui fazer amizade com algumas pessoinhas muito bacanas da tal comunidade! Possivelmente faremos um encontro, um Orkontro, que é onde as pessoas do Orkut se encontram para se conhecerem ao vivo e a cores!

Ah, tem também o Dérik, que eu chamo de D-réqui... meio depressivo, tá a fim de arrumar uma namorada pra ver se esquece a solidão e a depressão. Falei pra ele que essas coisas ou dão um *xoque legal ou a pessoa pira de vez...sabe como são os caminhos do amor! Às vezes ele vai arrumar uma complicada que nem ele! Daí não vai ter jeito não! As meninas Robertinha, Raquélica e Marina tão querendo tirar o D-réqui da obscuridade e botar ele pra frente, mas parece que não tá dando não! Acho que ele tá com medo das moças acharem ele muito feio. Mas ele é um gato, muito gato mesmo! Hoje ele apareceu transfigurado de uma figura de Pancetti, fluído, diáfano, solitário, na praia...querem ver meus amigo D-réqui? O Orkut dele é esse aí, ó:

http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=17155253226728792764

Ele parece com o Dartagnan, um dos três mosqueteiro...eu vi ele numa homenagem que a amiga dele fez pra ele no dia do aniversário dele. Tirava um chapéu da cabeça e tinha uma barbicha; seus cabelos são compridos, é um gato gente.... só não se parece com o gato da Banks, aquele gorducho branco que de vez em quando ela posta, nem eu sei mesmo o porquê ela faz isso.
And... eu coloquei assim: "Eu acho que eu vi um gatinho...Eu vi sim! Fla flap flap! [voei]...
Sem mais o que fazer, resolvi contar pra vocês umas bobeiras e eu, a Martha, meu fake mais que gostosão do Orkut!

Eu - a Martha and suas Nicotinas... kkkkkkkkk

http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=18104343807015929372

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

o Pedro Demo falou...eu fiquei brava com ele... BUT



ele tem razão.... Ninguém gosta de ler neste país! Mas que baaaaaaaar baridade, tchê! Nem professor acessa a minha página, com exceção de alguns...

O único professor que vejo lendo é o Carlim querido!!! O "seu Carlão"...

sábado, 1 de setembro de 2007

eu tive um amigo, o maurílio...

http://rapidshare.com/files/53895629/_03__Jeff_Buckley_-_Opened_Once.mp3
(essa é uma música que me faz lembrar dele... Opened Once...Uma vez aberto...)


Lovefool, Cardigans... Romeo & Juliet... não me canso de ver este filme, mas prefiro o de Zefirelli... (tentei postar aqui o vídeo do filme Romeu e Julieta, com Leonardo de Caprio, não deu! Mas vai lá nos *meus vídeos e assista!))


Vendo este video, lembrei-me de um amigo da infância e adolescência. É minha gente, ele se parecia com o moço do filme, o Leonardo... A mesma pressa, ânsia nos atos, os olhos, o cabelo, o corpo magro e o rosto de anjo sem o ser... Pena que já se foi! Foi-se rápido, desistiu de viver...


Lembro-me dos tempos que éramos meio cúmplices, nos idos anos 80. Muita vezes tomei umas pingas e algumas coisinhas a mais com ele...se arrepedimentos matassem, estaríamos juntos agora! De alguma forma me sinto culpada...bebíamos uma pinga lascada no antigo "Te Contei?", um barzinho na cidade da minha avó, Carmo da Mata! Puts, quando lembro daquele sorriso, do fiapo de franza loura descendo displicente na testa do Maurílio... Eu dizia: Maurílio, você é MAU... Ah, Maurílio! como tu és Mau... Se fosse uma rosa, teria igual perfume! Sempre dizia essas frases pra ele. Na realidade, sou meio Julieta...acredito em amor eterno! Mas como o eterno é algo transcedental demais, fiquei por aqui, sendo moça moderna! KKKKKK
Maurílio, de vez em quando, aparecia aqui em Guaxupé, com seu amigo Marco Valério. Morava em Alfenas ainda. Ficávamos vagando pela madrugada...e ele sempre tomando umas e outras e alguma coisinhas a mais!
Encontrávamos em Carmo da Mata durante as férias de Janeiro ou Julho. Saíamos sempre pra beber, essa foi a ruína de Maurílio e algumas coisinhas a mais...Era uma turma grande! De muitos deles fico sabendo de longe... ou nunca mais os vi! Sei que guardo muitas lembranças de Carmo da Mata. Lembranças boas de viver...